45 3027-0170

Câncer de pele: Conheça os fatores de risco

Além de ser cotidiana a nossa exposição ao sol, com certeza é na presença dele que curtimos alguns dos melhores momentos de nossa vida, praia, piscina e muitos outros. Aliado a isso existe aquele desejo, quase incontrolável, das mulheres de ter uma pele bronzeada. E, quando o calor chega, como usar aquelas roupas mais curtas e degotadas sem apresentar aquele dourado.

Porém é bom saber que um dia inteiro sob o sol não fica só na lembrança ou nas fotos que tiramos. Cada segundo de exposição fica  gravado na pele e os efeitos desses momentos são cumulativos e não demoram muito a aparecer.

Fomos buscar algumas informações sobre esse assunto no site: msn.minhavida.com.br/saúde, na matéria Conheça os fatores de risco e previna-se contra o câncer de pele, onde vários profissionais foram ouvidos e trazem esclarecimento sobre o assunto.

Os fatores de risco para câncer de pele são simples de identificar:

Dificuldade para se bronzear

Ter pele bem bronzeada de sol costuma significar beleza e vitalidade (além de férias em algum lugar com belas praias). Mas existem riscos relacionados às horas de exposição ao sol e eles não podem ser descartados, principalmente se você tem a pele muito branca e ela fica vermelha em vez de amorenar. “Nesse caso, o risco de câncer de pele é alto por dois motivos: pela sensibilidade natural da pele e porque, como não consegue se bronzear facilmente, essa pessoa acaba ficando tempo demais exposta aos raios UVA e UVB”, explica a dermatologista Marcia Puceli, especializada em câncer de pele.

Pintas que se espalham por todo o corpo


Ainda que muita gente ache bonitinho ter algumas pintas espalhadas pelo corpo, a dermatologista faz questão de ressaltar que essas manchas não são normais. “Elas surgem ao longo da vida, por consequência da exposição ao sol e precisam ser avaliadas por um dermatologista.” Controle o crescimento das pintas seguindo o ABCDE dos médicos: assimetria reconhecida (se ela não é redondinha), borda irregular, cores múltiplas, diâmetro maior que a ponta de um lápis e evolução (se coça, sangra ou cresce). Já se você possui muitas pintas, faça um acompanhamento com dermatologista para ter certeza de que não existe nenhum problema grave surgindo. Outro ponto importante é o sentido do crescimento. Quando a pinta fica saliente e ganha o aspecto de uma verruga, não há problemas. “Mas se ela crescer para os lados pode estar se multiplicando, e isso não deve acontecer em um adulto”, diz a médica.

Olhos azuis e cabelos em tons claros

“Estudos mostram que pessoas com olhos azuis e cabelos ruivos ou loiros têm mais chance de desenvolver melanoma, o tipo mais raro e agressivo de câncer de pele”, afirma a dermatologista Isabel Longo. Nesses casos, não importa a cor da pele: mesmo uma pessoa de pele morena e olhos azuis deve ir ao médico. Quem nasceu com o cabelo ruivo ou avermelhado precisa dar atenção redobrada às orientações médicas. “Essas pessoas possuem felmelanina, um composto que faz a pele oxidar mais e estar menos protegida aos riscos do sol”, revela a especialista Márcia Puceli.

As sardas não param de aparecer

O charme das sardas não pode servir como desculpa para você ignorá-las. “Pessoas com muitas sardas pelo rosto ou nos ombros precisam de acompanhamento médico e cuidados especiais na hora de tomar sol”, diz a palestrante espanhola. Isso porque as sardas não passam de uma resposta da pele sensível ao abuso do sol, ou seja, quanto mais sardas, maior o risco de problemas relacionados ao sol.

Histórico familiar de câncer de pele

Como é o caso de muitas doenças, o histórico familiar indica maior possibilidade de desenvolver câncer de pele. Mas fique atento para as diferenças: se alguém na sua família já teve carcinoma, não é necessário se assustar, mas avise o médico. O carcinoma, como as sardas, é resultado exagero na exposição solar. “O maior problema está no melanoma, que ainda tem um lado genético não muito bem compreendido pela medicina”, afirma a dermatologista Márcia Puceli. As características que tornam uma pele mais sensível também podem ser herdadas. “Por isso é tão importante prestar atenção na maneira como cada pele reage ao sol – tanto a sua quanto a dos familiares”.

Antecedente pessoal não pode ser esquecido

Também é muito importante prestar atenção ao seu próprio histórico, além e conhecer sua herança genética. Como no caso familiar, o desenvolvimento do carcinoma indica um comportamento de riscocomportamento de risco comportamento de risco – que deve ser controlado seguindo as instruções médicas. Reincidência é muito comum e só pode ser combatida se você estiver disposto a adotar hábitos como passar o protetor solar, caminhar pela sombra e evitar se expor ao sol nas faixas horárias de maior incidência solar (das 11h às 16h).

Tomar sol demais

Mesmo quem não tem características como pele sensível e cabelo ruivo precisa tomar cuidado com o sol. “O risco nunca é nulo, principalmente para pessoas que adotam comportamentos de risco como tomar sol indiscriminadamente”. Vale lembrar que a proteção solar não vem só do filtro; chapéus, óculos de sol e até as roupas podem ajudar a bloquear os raios solares, principalmente no cotidiano. Afinal, sol não está presente só na praia ou na piscina, mas faz parte do seu dia a dia.